Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Editorial

04/11/2021

Cidades do Futuro: mobilidade como serviço

O desafio, dentro da expansão urbana, é garantir que os deslocamentos sejam realizados de maneira eficiente, sustentável e com equidade no uso do espaço público

Ajustar texto: A+A-

Cidades do Futuro: mobilidade como serviço

A integração total entre os meios de transporte disponíveis permitiria acomodar 30% mais tráfego com redução de 10% no congestionamento
(Arte: TUTU)

*Por Vitor Magnani

Em 1950, éramos 2,5 bilhões de habitantes no planeta. Hoje, somos 7 bilhões. E a perspectiva é de que, em 2050, a população mundial chegue a 8,9 bilhões de pessoas. Inevitavelmente, as viagens em uma cidade passarão a ser feitas mais com modos ativos (por bicicleta ou a pé, por exemplo) e menos com os veículos motorizados. O desafio, dentro da expansão urbana, é garantir que os deslocamentos sejam realizados de maneira eficiente, sustentável e com equidade no uso do espaço público.

Há pouco tempo o conceito de smart cities (cidades inteligentes) estava à frente desse debate. O investimento em hardwares e softwares conectados surgiu como solução para os problemas do espaço urbano. O passo seguinte é focar no MaaS (Mobility as a Service ou Mobilidade como Serviço). O conceito gera opções para o cidadão se deslocar – seja de transporte individual (motorizado ou ativo), de passageiros ou de mercadorias, seja de transporte coletivo, privado ou público.

Leia sobre inovações relacionadas aos negócios
Brasil tem potencial para se destacar na aplicação de IA em diferentes áreas
Startups do agronegócio já estão presentes no cotidiano de metade dos agricultores brasileiros
Inovar eleva produtividade mesmo em períodos de crise

De acordo com a consultoria McKinsey & Co, a integração total entre os meios de transporte disponíveis permitiria acomodar 30% mais tráfego com redução de 10% no congestionamento. Viagens cada vez mais combinadas entre modais têm sido demandadas para atender a pluralidade dos deslocamentos, mas a integração entre as formas de transporte exige dois fatores:

1. Integração física

Trata-se da conexão física entre os diversos meios de transporte, como metrô, ônibus, bicicleta, e até mesmo, automóvel particular e de aplicativos com o objetivo de facilitar o acesso entre os diversos modais disponíveis. Exemplo: estações de bicicleta nos terminais de ônibus e ciclovias que levam até o metrô. Dessa forma, o cidadão terá mais opções com o uso combinado de diversos modos de transporte.

2. Integração de pagamentos

Trata-se da possibilidade de utilizar a mesma forma de pagamento, como um cartão de crédito e débito, para pagar por todos os serviços utilizados em um mesmo deslocamento. Essa integração é essencial para a existência do MaaS, pois sem ele, os valores para o cidadão podem ser cada vez mais alto.

A gestão do MaaS deve regular a entrada das empresas de mobilidade na plataforma estabelecendo normas e padrões, sem criar restrições burocráticas, mas exigindo que os participantes disponibilizem uma integração real do seu serviço. Assim, um operador (público ou privado) da plataforma MaaS poderá́ ofertar aos seus usuários o acesso e o pagamento a todos os serviços integrados na plataforma por meio de cartão físico ou virtual (NFC/QRCode).

Do outro lado, a plataforma deve permitir que um cidadão consiga acessar e pagar os serviços de transporte como ônibus, metrô, bicicleta compartilhada, transporte por aplicativo e estacionamento, com apenas um aplicativo ou cartão físico. Combinadas, as integrações físicas e de pagamentos promoverão a mobilidade integrada. É o primeiro próximo passo para que as cidades se aproximem de um conceito que é visto como o futuro da mobilidade.

Saiba mais sobre o Conselho de Economia Digital e Inovação

*Vitor Magnani é presidente do Conselho de Economia Digital e Inovação da FecomercioSP. 
Artigo originalmente publicado na Forbes Brasil Online em 4 de novembro de 2021.