Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

29/11/2021

Endividamento atinge 71,4% das famílias brasileiras, maior taxa dos últimos 11 anos

Além do recorde nacional, oito capitais registram, em 2021, o maior contingente de endividados da história, segundo pesquisa da FecomercioSP

Ajustar texto: A+A-

Ouvir Texto:

00:00 00:10
Endividamento atinge 71,4% das famílias brasileiras, maior taxa dos últimos 11 anos

Quase 12 milhões de famílias estão endividadas e 4,3 milhões têm dívidas em atraso
(Arte/Tutu)

O porcentual de famílias endividadas nas capitais brasileiras bateu recorde no primeiro semestre deste ano, chegando a 71,4%. Inclusive, a parcela de lares com dívidas é 15,6% superior à média do período de 2010 a 2020 (61,8%).

Em termos absolutos, nas capitais, quase 12 milhões de famílias estão endividadas, contingente 6,5% maior do que o registrado em 2020 e 12,8% superior ao visto em 2019, ano anterior à pandemia de covid-19. Com isso, em dois anos, 1,36 milhão de famílias passou a conviver com dívidas. Os dados são da Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias nas Capitais Brasileiras, elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Veja também
Recorde de endividamento e confiança em baixa: quais as condições do consumidor para as vendas de fim de ano?
Empresárias estão menos confiantes com relação à avaliação do cenário econômico brasileiro
Em seis meses, famílias gastaram, com juros, o equivalente a 73% do auxílio emergencial pago em 2020

Levando em conta o mês de junho como comparação anual, o estudo também mostra que o endividamento segue trajetória contínua e acelerada no País. Em 2019, a taxa de lares endividados era de 64,1%. No ano seguinte, subiu para 67,4%. Com o nível recorde registrado em 2021, a alta, em dois anos, é de 11,5%.

Apesar do aumento da taxa de famílias endividadas, a inadimplência (situação em que a dívida não é paga dentro do prazo) recuou neste ano para 25,6%, ante 26,3% no ano anterior. Contudo, o indicador ainda não retornou ao nível pré-pandemia, uma vez que, em 2019, o porcentual de lares com contas em atraso era de 23,9%. De todo modo, atualmente, ainda são 4,3 milhões de famílias inadimplentes nas capitais do País.

A pesquisa, além disso, mostra que, no primeiro semestre de 2021, oito capitais também registraram taxas recordes de endividamento. A parcela de endividados em Rio Branco, por exemplo, chegou a 92%, a maior do território nacional. Ainda que distante deste porcentual, a taxa em São Paulo atingiu 66,1%, a mais alta da história da capital paulista.

Quer saber mais sobre a Radiografia do Crédito e do Endividamento? Aproveite para conferir dados, explicações e material gráfico a respeito do estudo no Fecomercio Lab.

A tabela, a seguir, apresenta o porcentual de famílias com dívidas em todas as capitais brasileiras.

radiografia_end_2021_tabela