Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Legislação

11/11/2014

Escritórios de advocacia devem incentivar mediação quando possível

Assunto foi abordado durante lançamento do Pacto de Mediação, organizado pela Fiesp e assinado pela FecomercioSP

Ajustar texto: A+A-

Escritórios de advocacia devem incentivar mediação quando possível

O papel dos escritórios de advocacia é essencial no processo de incentivar a mediação como mecanismo de solução de controvérsias, segundo avaliaram especialistas da área durante evento que lançou o Pacto da Mediação. O compromisso, organizado pela Fiesp, tem por objetivo envolver entidades e empresas no engajamento pelo uso do método de resolução de conflitos.

A FecomercioSP apoiou a ação, assinando o Pacto e incentivando sindicatos e empresas do comércio a adotarem a mesma posição.

No evento, realizado nessa terça-feira (11), Thais Cordeiro, do escritório Siqueira Castro Advogados, falou sobre a necessidade de considerar a oportunidade da mediação no surgimento de casos. "A gente tem que, ao tratar da mediação, estar desarmado e, principalmente, ouvir mais do que falar. Precisamos mudar algo dentro de nós, advogados, para conseguir convencer nossos clientes. Os escritórios de advocacia têm o desafio grande de identificar o profissional que possa colaborar para a mediação e treiná-lo", comentou.

Para ela, a principal questão é tratar a mediação não como método para reduzir ações judiciais, mas como meio positivo para ambas as partes. "Não podemos afirmar que a mediação vai solucionar os problemas do judiciário. Talvez se consiga minimizar um pouco o problema, ao aprimorar e incentivar a mediação, mas vejo isso como consequência e não como objetivo em si", argumentou.

A advogada defendeu que a mediação não menospreza a atuação do advogado. "O advogado tem papel fundamental de convencer o cliente a usar a mediação quando possível, transmitindo que é uma boa saída e oportunidade", defendeu.

Elaine Palmer, da BMA Advogados, reforçou a ideia. "Uma das barreiras que temos a vencer é uma eventual resistência nossa ao fato de que outras profissões e profissionais irão também desenvolver e exercer o papel de mediador. Não acho que seja uma ameaça. É uma grande oportunidade para ajudar o cliente e estar ao seu lado em uma estratégia global de mediação", citou. Para ela, agindo assim, o advogado amplia a relação de fidelidade com o cliente, ganhando confiança a longo prazo.

Um exemplo de mediação foi apresentado por Eliane Carvalho, da Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, escritório responsável por cuidar das ações geradas com o acidente aéreo da TAM em 2007. Segundo Eliane, a empresa trabalhou por nove meses na estratégia e elaboração de estrutura adequada para obter sucesso na solução de controvérsias com as vítimas do acidente. "Tínhamos uma câmara de indenização aberta com a presença de um representante público, o que trazia credibilidade. O programa ficou aberto por 12 meses e o caso de 2007 é página virada para a empresa. A companhia conseguiu, como resultado, a contribuição positiva para o branding judiciário da empresa, reconstruindo sua imagem", citou.


Para acessar o conteúdo e assinar o Pacto de Mediação, clique aqui.

Fechar (X)